Seja muito bem-vindo ao Copo de Letras!! Sirva-se sem moderação. ;)

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Nascida na Poesia


Sempre ouço aquela máxima: “eu não quero palavras, eu quero atitudes”. Meditando mais a fundo nessas palavras, descobri que discordo delas. Não! Eu discordo do significado delas quando estão juntas. Sim, discordo. No meu mundo, as palavras por si mesmas já são uma atitude. Escrevê-las a alguém, pronunciá-las... não se traduzem em [fortes] atitudes? Decerto que sim. É preciso o encorajamento da alma para permitir que as palavras saiam de dentro da gente e ganhem o espaço, seja em ondas sonoras ou em linhas: no papel, na tela de um computador, de um celular…


Tragam-me palavras! Não as evite, jamais as cale. Tragam-me palavras, muitas! Tragam-me boas palavras, cultivadas com cuidado, à sombra do desvelo. Expostas ao carinho, regadas na empatia, colhidas por amor. Tragam-me todas, encham os cestos com elas!
Pois no meu mundo, quem tem os olhos treinados a reconhecer a árvore que gera tais frutos, decerto é movido por um coração de atitudes raras. Na essência, palavras não são apenas palavras. Palavras são as raras atitudes, mas tão extraordinários são os que sabem isso!

sábado, 3 de novembro de 2012

Transgressora




Invasão de leis insanas atropelaram os corações
Mas cegos já estão os medos e surdo, o juízo
Os protocolos são idiotas
e as mentiras já não têm sentido algum
A civilidade irracional exige postura,
custa silêncio e uma conduta devota;
cala sonhos, arranca as flores
As atitudes e os tons
são declarados pelo padrão da moral, suicida
O impulso é condenado,
todas as formas de amar são ilegais
Transgressão:expressão da coragem,
o concreto da intensidade
Sim, os corações são livres
(embora não saibam)
Nesse império de robôs do amor
gritam as cores e as dores, os corajosos
Cantam alto a melodia da felicidade, os ousados
Nessa grande fábrica de condutas,
a mulher livre
apresenta flores mortas no andar de puritana
e oculta nos olhos toda a sua incandescência
Não revela suas muitas flores gozando vida
em sua alma de cigana
que não sabe de leis,
mas as transgride todas,
porque sabe amar.