Seja muito bem-vindo ao Copo de Letras!! Sirva-se sem moderação. ;)

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Eleições - estamos todos [des]encantados



Em 1998 eu tinha 17 anos e meu voto era facultativo. 
Corri atrás de toda a burocracia e providenciei meu título de eleitor 
para votar. 
Eu votei, pela primeira vez, orgulhosa e voluntária. 
Ingênua. 
Os anos passaram, meu voto tornou-se o
brigatório.
Nos chocamos com as falcatruas, roubalheiras deslavadas, flagrantes
irrefutáveis, mas não o bastante para fazermos além de reclamar,
reclamar, reclamar.
Qualquer paisinho chinfrim lá de fora parece ser mais desenvolvido e
atraente que o Brasil, que sadicamente, adoramos censurar, mas
convenhamos: foi emocionante cantar o Hino Nacional à capela na Copa do
Mundo _ainda que tropeçando na letra!
As opções são deploráveis.
Candidatos analfabetos, dissimulados, que insultam nossa inteligência,
nossa dignidade, nossa sanidade.
Às vezes dá vontade de chorar.
Às vezes, nem isso.
Nesse ano não vou votar.
Não transferi o meu título e o sistema eleitoral de ponta do Brasil
ainda sugere que eu o faça fora da minha zona eleitoral, não é
compulsório.
Ainda.
Quem há de atirar em mim a primeira pedra por isso?
Alguém faz além de reclamar por aqui?
Quem? O quê? Onde? Por quem?
Meu desencantamento é com a gente mesmo.
Um povo tão perfeitamente colonizado, que até hoje se deslumbra com
espelhinhos e bugigangas, que se fascina com qualquer lembrancinha 'made in world'.
Que lixo de sistema.
Que triste tudo isso.
Que gigante, que nada...

Nenhum comentário: